sexta-feira, 22 de setembro de 2017

Carreteiro natural de Coité morre em acidente na Via Anchieta, em São Paulo

Amaral é natural do Distrito de São João e estava morando em Santos - SP desde 2000

Socorristas na tentativa de tirar Amaral das ferragens/ Foto: A Tribuna

A colisão de duas carretas causou a morte do motorista de um dos veículos na madrugada desta quinta-feira (21), na Pista Norte da Via Anchieta. O acidente aconteceu no km 35, na altura de São Bernardo do Campo, às 3h25.
Amaral deixou São João para seguir a carreira na música e lá assumir a  função também de carreteiro/ foto: Facebook

Amaral da Silva Freitas, natural do Distrito de São João, município de Conceição do Coité, ficou preso nas ferragens e precisou ser socorrido pela ambulância da concessionária. Antes mesmo de deixar o local rumo a um hospital, o médico da Ecovias atestou que ele não havia resistido aos ferimentos.
Segundo a Ecovias, concessionária do Sistema Anchieta-Imigrantes (SAI), o motorista da segunda carreta não sofreu nenhum ferimento. A Polícia Rodoviária diz que as causas ainda estão sendo apuradas.
Ainda de acordo com a empresa, o trânsito precisou ser bloqueado até às 6h30 para remoção dos veículos que ficaram bastante destruídos.
Segundo o Site A Tribuna, o tráfego foi interrompido no km 40 e o veículos precisaram seguir pela interligação, continuando viagem pela Pista Norte da Rodovia dos Imigrantes.
Amaral atuava também como músico na Baixada Santista.
Amaral já estava consagrado nos barzinhos principalmente da baixada Santista/Foto: Facebook

Segundo informações do repórter e amigo da vítima Rondinery Oliveira que reside no Distrito de São João,  Amaral morava há 17 anos em Santos-SP para onde foi em busca do sucesso na carreira musical e ficou famoso com o titulo de “O Rei dos Barzinhos”. Praticamente vinha vistar os familiares a cada fim de ano.
Ainda de acordo com Rondinery, Amaral é irmão de Flávio Araújo vocalista da Banda Geração Eletrônica, Adailton Freitas que também é músico e faz carreira solo, Agnaldo Guitarrista, Fabiano Freitas, enfim, uma família toda com vocação para a música.
Um cidadão que não teve o nome identificado, morador de Santos – SP e também natural de São João, passou um áudio afirmando que a pesar do estrago nos carros, o corpo de Amaral não sofreu ferimentos externos, que o óbito pode ter ocorrido por ter ficado prensado entre o volante da carreta e o banco.
O corpo será sepultado em um cemitério na cidade de Santos, às 11h desta sexta-feira, 22.
Amaral deixa esposa e dois filhos.
Redação CN | A Tribuna

Suicídio é a quarta maior causa de morte de jovens entre 15 e 29 anos, diz pesquisa


Divulgação faz parte das ações do Setembro Amarelo, mês dedicado à prevenção ao suicídio.

O suicídio é a quarta maior causa de morte de jovens entre 15 e 29 anos no Brasil. Os dados são do primeiro boletim epidemiológico sobre suicídio, divulgado hoje (21) pelo Ministério da Saúde, que mostram ainda que, em 2015, 65,6% dos óbitos nessa faixa etária foram por causas externas: violências e acidentes. A divulgação faz parte das ações do Setembro Amarelo, mês dedicado à prevenção ao suicídio.
O oficial de justiça aposentado Ivo Oliveira Farias, perdeu a filha Ariele para o suicídio em 2014, quando ela tinha 18 anos de idade. Ele superou o tabu e a vergonha e hoje fala abertamente sobre o suicídio da filha e a importância da prevenção. “As pessoas não se matam porque querem morrer, mas para acabar com a dor, não para matar a vida. [Para eles], a única alternativa de parar de sofrer é morrendo, elas querem acabar com a dor da depressão, do significado da existência. Elas estão em uma situação da qual não encontram uma saída e aí elas saem da vida como forma de resolver o problema”, disse.
Para ele, é preciso falar cotidianamente sobre suicídio, “até na mesa do bar”. “Aquela pessoa que está vivendo o drama, pode encontrar um caminho ali para buscar uma ajuda. A gente tem que conversar com as pessoas. Quando uma pessoa diz que quer se matar, a gente tem que acreditar. A maioria dá sinal, 9 em cada 10 dão sinal”, ressaltou.
Segundo a psicóloga e coordenadora do Instituto Vita Alere de Prevenção e Posvenção do Suicídio, Karen Scavacini Karen, os sinais de alerta muitas vezes só fazem sentido depois da morte e são muito complexos de serem observados e entendidos. Entretanto, ela mostrou preocupação com o aumento do suicídio entre jovens. Segundo Karen, é importante lembrar que o cérebro só termina de se formar aos 21 anos e que os jovens têm mais impulsividade, menor autocontrole e menor consciência crítica.
“Temos visto jovens que não têm tolerância à frustrações, fazendo alto uso de álcool de drogas, jovens isolados”, disse ela, explicando que as redes sociais são umas das causas desse isolamento e frustração. “Por mais que haja um contato virtual, o contato significativo tem diminuído. E tudo que ele vê no Facebook e na rede social, ele acha que é verdade e compara com a própria vida, porque nas redes sociais todas as pessoas aparentam estar feliz sempre”, disse.
A pressão com a carreira, a pressão em ser o melhor são preocupações que pesam aos jovens, segundo Karen. “E um vazio existencial. O próprio sentido da vida das pessoas”, ressaltou.
Fatores de risco
A psicóloga Karen cita ainda a mídia e as séries de TV, como 13 Reasons Why, do canal de streaming Netflix, que, para ela, têm uma grande influência sobre os jovens. “Quando o jovem se identifica com o personagem, aumenta o risco de contágio”, disse. Na série, a personagem principal comete suicídio e tenta explicar as suas razões.
“A série é muito boa em trazer esse assunto para a realidade das pessoas. No geral, as pessoas acham que suicídio só acontece na casa do vizinho. O problema é que a grande maioria dos jovens viu a série mas não teve como conversar porque os pais não viram. Não teve um diálogo aberto sobre tudo que aconteceu com a Hanna [personagem que cometeu suicídio]”, disse, argumentando que a própria série, que trouxe à tona a discussão, poderia mostrar as saídas, os caminhos para se receber ajuda.
Uma outra questão que também influencia os jovens é a descoberta da homossexualidade, quando eles assumem isso perante a família e a sociedade. “Dependendo da maneira como a situação é tratada é um fator de risco para o suicídio”, disse. “A decisão recente de que homossexualidade pode ser tratada, pode aumentar esse fator de risco. É um retrocesso grande”, explicou.
Karen explicou ainda que muitos transtornos mentais iniciam na adolescência e muitas vezes é difícil para a família entender que o jovem precisa de ajuda especializada e que não são só “sintomas” de adolescência. A demora em receber o tratamento adequado, o tabu e o preconceito das pessoas em procurar o psiquiatra e o psicólogo são problemas que precisam de atenção.
Para ela, existe uma dificuldade de acesso a serviços de saúde, tanto para tratamento de uso de substâncias, quanto para jovens com comportamentos suicidas.
Além disso, é preciso um tratamento mais humano pelos profissionais de saúde quando as pessoas conseguem acessar esses serviços. “Tenho relatos de pessoas que foram maltratadas em prontos-socorros ou pelo médico. E isso é uma coisa comum. Eles não têm a formação em prevenção”, disse. “É preciso sensibilizar os profissionais que eles estão lidando com dor, que o suicídio é a resposta a uma dor terrível que a pessoa não conseguiu outra saída”.
Tentativas repetidas
Um grande fator de risco para o suicídio são as tentativas anteriores. Segundo Karen, os primeiros 30 dias depois da alta é o período de risco aumentado porque não há uma continuidade no cuidado com essas pessoas. “O que levou uma pessoa a tentar suicídio foi um sofrimento intenso e isso não vai embora. É preciso continuidade em termos de tratamento psiquiátrico e psicológico para a aceitação, para que não haja novas tentativas”, explicou.
Ela ressaltou, entretanto, que quem tenta o suicídio não está fadado a repetir esse comportamento, mas precisam de tratamento adequado.
Karen contou que um estudo da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) mostrou diminuição no risco de tentativas repetitivas de suicídio com o acompanhamento telefônico das pessoas que tentaram suicídio após a alta hospitalar. “Isso poderia ser feito por qualquer pessoa treinada. Eles apenas ligavam para saber como o outro estava”, explicou. “O retorno para casa dessas tentativas é mais difícil e precisa ser acompanhado para que a pessoa possa seguir caminhos mais saudáveis”.
Fonte: Agora na Bahia 

Motociclista fica gravemente ferido após ser atingido por carro em Ipirá

Na noite desta quarta-feira, 20 de setembro de 2017, o motociclista Josenilton Cardoso Reis, de 24 anos, morador do povoado Santa Rita, foi atingido por um veículo de motorista e dados ainda não identificado.

O acidente aconteceu na Avenida Cesar Cabral, nas proximidades do Supermercado Avenida, no centro de Ipirá. A vítima teve traumatismo craniano e foi socorrido para a UPA em estado grave. 

O causador do acidente fugiu do local sem prestar socorro a vítima. A Policia Militar está em busca do causador do acidente.

Breve mais informações.

Informações Caboronga Notícia e Ipirá FM

Horário de verão pode acabar e beneficiar a Bahia que ficava de fora

O governo federal estuda acabar com o horário de verão e caberá ao presidente Michel Temer tomar a decisão final. A Casa Civil do Governo recebeu um estudo do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) e do Ministério de Minas e Energia que conclui pela inutilidade da medida no que se refere à economia de energia, chegando concluiu que seus efeitos estão “ próximos à neutralidade”.  Embora o horário de verão seja apoiado por boa parte da população, prejudicava sobremaneira a Bahia, pois o governo estadual preferia não aderir a medida, apesar das solicitações do trade turístico e de empresários.   A  Bahia sofria com o atraso nas negociações cambiais para o comércio exterior, a incompatibilidade de horários dos voos nos aeroportos e redução do horário de negociação de ações na Bolsa de Valores de São Paulo e a possibilidade de atrair mais turistas para o lazer. Era como se o Brasil fosse dividido em dois, com o estados do Nordeste ficando fora do horário de Brasília.  Mas a decisão de acabar com o horário de verão ainda não está tomada e há uma  avaliação de que o período já faz parte dos costumes e da cultura do brasileiro e isso vai contar na decisão. Entre os técnicos que defendem a medida dentro do governo, o argumento é de que o horário pode ser positivo para setores como comércio e turismo, apesar do pouco impacto na economia de energia.  No passado, quando o horário era mais eficiente, as pessoas e empresas eram estimuladas a encerrarem suas atividades do dia com a luz do sol ainda presente, evitando que muitos equipamentos estivessem ainda ligados quando acionada a iluminação noturna. Com informações de O Globo.

Saúde em Senhor do Bonfim pública e privada na UTI


Em Senhor do Bonfim, com raríssima exceção, está muito longe de paciente ser tratado como cliente, somos tratados como coisas qualquer, menos alguém que necessita de respeito e dignidade.
Nesta quinta-feira, dia 21, presenciamos cenas lamentáveis e preocupante, o hospital particular da cidade há muito tempo, apresenta fragilidade no atendimento da emergência, parece mais um consultório médico 24 horas, onde pessoas chegam passado mal e ficam horas e horas de espera, depois tem que ir para o Regional para ser atendidos pelo SUS, mesmo pagando caro aos planos de saúde ou consultas particular, que não são baratas.
Nesta quinta-feira, por exemplo teve pessoas, que chegaram pela manhã, sentindo-se mal e entraram pela noite reclamando do atendimento ruim e sem estrutura da chamada emergência, se é que assim podemos tratar.
No Hospital Público, sempre bom o primeiro atendimento de recepção e técnicos de enfermagem, na noite desta quinta-feira, dia 21, por volta das 21 horas, alguns pacientes, tiveram que esbarra no plantão de um médico ,que talvez não estivesse no seu melhor dia, que atendeu alguns em  tom de grosseria e  falta de educação domestica.
Uma jovem, que passou mal durante o dia e não tinha conseguido dormir, chegando a perder o trabalho, pediu a referido médico um atesta para quinta e para sexta. Em tom grosseiro respondeu “amanhã venha cedo e peça ao médico de plantão”, sem conhecimento talvez das normas daquela casa de saúde, a jovem perguntou, por que o senhor não pode me dar o atestado? em tom grosseiro o médico respondeu “Vou estar de plantão manhã?”.
A sair do consultório o pai da moça, criticou, ao médico dizendo: “O senhor atende muito mal é muito grosso com os pacientes”. O médico deixou o consultório, acompanhou o pai e paciente até o corredor do hospital, de forma intimidativa pediu que fosse repetida a crítica, o que naturalmente ouviu novamente por parte do pai da jovem e da própria Jovem, depois, pediu que o policiamento, fosse solicitado talvez, para intimidar ao pai e a jovem a retirar a crítica feita, ao seu mal atendimento. Lamentável ocupar uma viatura da PM em assunto tão fútil.
No segundo caso a esposa de um paciente, que estava com problema renal, foi avisar ao médico que seu esposa já estava sem o medicamento há quase uma hora, pois tinha terminado, de forma grosso o médico teria respondido” A senhora não está vendo que estou atendendo? Se aquela casa de saúde não tem estrutura, todos sabemos, mais não pode perder os bons relacionamentos entre profissionais e o cidadão e que na hora de contratação, tem que analisar o perfil de cada profissional, para que o povo não seja desrespeitado, como se a saúde pública fosse de graça.A  critica ao profissional, refere-se ao tom de voz grosseiro e desrespeitoso para com os pacientes, que merecem respeito.
Por:Cleber Vieira

quinta-feira, 21 de setembro de 2017

Homicida é transferido de Pernambuco para Complexo Policial de Campo Formoso

14501909_10202457195148832_135645121_n
O delegado titular de Campo Formoso Edilzo Santana, apresentou o homicida Tiago da Silva Santos, vulgo “Simidão””, acusado de ter em dezembro de 2016, assassinado o popular Marcos Silva dos Santos o “ Marquinhos” nas proximidades do terminar rodoviário desta cidade.
O homicida após o crime estava foragido em Recife onde foi preso pelos Policiais Civis.
Agora o elemento se encontra recolhido no Complexo Policial à disposição da justiça.
.
Site 98FM

Jovem natural de Piritiba é preso no município de Mundo Novo



Nesta quinta-feira, 21 de setembro de 2017, por volta de 1 hora da madrugada, Alan Oliveira Lima Lopes, de 19 anos, natural de Piritiba-BA, foi preso no povoado de Alto Bonito, no município de Mundo Novo-BA, após diversas denúncias anônimas informando que o mesmo vinha cometendo diversos delitos naquela localidade como tráfico de drogas, furtos, disparo de arma de fogo e tentativa de roubo.

Na posse de todas as informações necessárias, a Polícia Militar de Mundo Novo diligenciou e localizou Alan na sua residência, na Rua do Campo, onde foi feito uma busca, sendo encontrada debaixo do sofá uma sacola com 15 pinos de cocaína e 8 trouxinhas de maconha. No quintal da casa, foram encontradas algumas peças de motos desmontadas.

Por ser crime, Alan foi preso e apresentado na Delegacia de Polícia Civil de Mundo Novo, sendo autuado em flagrante pelo DPC Rogério Menezes, Delegado Titular.

▪O autuado Alan Oliveira Lima Lopes foi reconhecido por testemunhas e vítimas de uma tentativa de assalto, fato ocorrido no dia 11/09, por volta das 18h00min na estrada próximo a Alto do Bonito, nas imediações do Campo de Aviação.

▪Autor: Alan foi autuado em flagrante por infração ao Artigo 33 da Lei 11.343/2006(Tráfico de Drogas) e Artigo 180 do Código Penal (Receptação).

Ocorrência: Tráfico de drogas.

▪Polícia Civil: A 200 anos a serviço da Sociedade.

Secretaria de Segurança Pública. 
Polícia Civil de Mundo Novo.
Polícia Militar de Mundo Novo.

Fonte: Delegacia de Mundo Novo-BA.




Postagem em destaque

Carreteiro natural de Coité morre em acidente na Via Anchieta, em São Paulo Amaral é natural do Distrito de São João e estava moran...