TV Globo revela nomes de mais políticos que aparecem na lista de Janot


O conteúdo das delações dos executivos e ex-executivos da empreiteira Odebrecht está sob sigilo, mas a TV Globo conseguiu apurar nesta quarta-feira (15) com várias fontes a presença de 22 novos nomes de políticos na lista de 83 pedidos de investigação que o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, enviou nesta terça (14) ao Supremo Tribunal Federal. Nos depoimentos dos delatores, segundo a TV Globo apurou, são mencionados os nomes de pelo menos 170 pessoas, entre as quais políticos com foro e sem foro privilegiado.

Muitos dos nomes já foram citados em depoimento do ex-diretor de Relações Institucionais da Odebrecht Cláudio Melo Filho, que veio a público em dezembro do ano passado. Dentre os novos nomes que a TV Globo apurou, há mais um ministro do governo Michel Temer, além dos cinco já revelados nesta terça. É Marcos Pereira, do PRB, atual ministro da Indústria, Comércio Exterior e Serviços.

Cinco governadores que aparecem na lista são os seguintes: Renan Filho (PMDB), de Alagoas, Luiz Fernando Pezão (PMDB), do Rio de Janeiro, Fernando Pimentel (PT), de Minas Gerais, Tião Viana (PT), do Acre e Beto Richa (PSDB), do Paraná.

Na lista também há pedidos referentes a pelo menos cinco governadores, que deverão ser analisados pelo Superior Tribunal de Justiça – o foro de governadores é no STJ; o de deputados e senadores no STF.

Entre os nomes de senadores citados nas delações, estão Lindbergh Farias (PT-RJ), Jorge Viana (PT-AC), Marta Suplicy (PMDB-SP) e a senadora baiana LÍdice da Mata (PSB-BA). Já entre os deputados federais estão Marco Maia (PT-RS), Andres Sanchez (PT-SP), Lúcio Vieira Lima (PMDB-BA), José Carlos Aleluia (DEM-BA) e Paes Landim (PTB-PI). 

Há políticos e outras pessoas citadas na lista que não têm foro em tribunais superiores e, por isso, terão o caso analisado por outras instâncias da Justiça. Entre elas estão: Geddel Vieira Lima (PMDB-BA), ex-ministro do governo Temer, Sergio Cabral (PMDB-RJ), ex-governador do Rio de Janeiro, atualmente preso, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), ex-presidente da Câmara, atualmente preso, Duarte Nogueira (PSDB-SP), prefeito de Ribeirão Preto, Paulo Skaf (PMDB-SP), candidato derrotado a governador de São Paulo em 2014, Edinho Silva (PT-SP), ex-tesoureiro da campanha de Dilma Rousseff, atual prefeito de Araraquara e Anderson Dornelles, ex-assessor direto da ex-presidente Dilma Rousseff.
Fonte: G1
0