Em Miguel Calmon, carne com tuberculose é impedida de ir para o consumo humano

10/01/2017 – Pelo menos 08 animais com tuberculose foram impedidos de ir para o consumo humano, por técnicos do matadouro FrigoCezar, no município de Miguel Calmon-BA, entre 2016 e inicio de 2017.

Somente nos primeiros dias de 2017, dois animais já foram identificados com tuberculose e impedidos de serem comercializados.
(Carne com tuberculose)

De acordo com o coordenador regional da Agencia de Defesa Agropecuária da Bahia-ADAB, Dr. André Rios, esse é um dos principais motivos das ações da ADAB, contra o abate clandestino na região. Segundo Dr. André, se esses animais tivessem sido abatidos clandestinamente, sem dúvidas iriam ser comercializados e poderiam causar grandes danos à saúde humana. “essa carne, quando o abate é clandestino, muitas vezes eliminam a parte feia e vendem o restante da carne. Só que a doença está na carne toda”, disse o Dr. André. Ele tambem chama àtenção para a questão da falta de higiene e falta de acondicionamento adequado.
                  Condições de higiene em abate clandestino
A ADAB tem realizado diversas ações de fiscalização e apreendido grande quantidade de carnes consideradas clandestinas ou improprias para o consumo humano, na região de Jacobina e Miguel Calmon, com um único objetivo, zelar pela saúde humana.

A nossa orientação é que, na hora de comprar sua carne, procure um açougue que venda carne certificada, assim você estará protegendo sua própria saúde.

Veja abaixo algumas imagens de carne com tuberculose, e que foram identificadas por técnicos do matadouro FrigoCezar em Miguel Calmon, e impedidas de ser comercializadas.

No abate clandestino essa carne seria consumida pela população. Essas imagens são de animais abatidos na primeira e segunda semana de 2017, e seriam comercializados na região de Miguel Calmon e Jacobina.

 Da redação/Calmon Noticias
0